Publicidade

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Parece mágica, mas é ciência #3

Tirando a bobagem do 9gag, este é um cubo de Neodímio (Z=60) sendo engolido por uma massa conhecida como Magnetic Thinking Putty (uma massa de Polidimetilsiloxano adicionada de nanopartículas magnéticas), por simples atração magnética. 



este vídeo também é maneiro:



quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Sobre aquecimento global

Voltaram a aparecer aqueles que chamam a mudança climática de "falácia", e as preocupações com aquecimento global de histeria coletiva ou sei lá o quê. Eles argumentam que tudo não passa de uma forma de as grandes economias mundiais forçarem os emergentes a ficar em seu lugar, e que a comunidade científica não chega a um parecer consensuado sobre os dados climáticos. Mas não é bem por aí.

Primeiro, as nações emergentes (como nós) não precisam de ajuda externa para estragar tudo, nós já somos bons em tomar decisões erradas e afundar nossos próprios navios;

Segundo, não existe essa história de "falta de consenso". Enquanto aqui nós estamos discutindo se o aquecimento global é real ou não, nas comunidades onde a ciência tem investimentos e respeito a discussão é se a presença de nós, seres humanos, tem alguma influência no aumento das temperaturas médias.




Em um levantamento do The Consensus Project, foram encontrados mais de 4.000 estudos sobre mudanças climáticas, escritos por mais de 10.000 pesquisadores, e 97% deles concluem com a afirmação de que a atividade humana contribui majoritariamente para o aquecimento global.

O IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change, estabelecido pela ONU) se reúne frequentemente e emite relatórios com novos dados e observações, de modo a fornecer embasamento sólido para que os governantes tomem decisões.


No relatório do IPCC de Novembro de 2013, algumas afirmações contundentes baseadas nos dados obtidos e nos estudos feitos:

1) O aquecimento do sistema climático é inequívoco; 
2) A influência do homem no sistema climático é clara; 
3) Limitar a mudança climática requer reduções substanciais e sustentáveis de emissão de gases estufa. 

Como sabemos, afirmações categóricas como estas demandam embasamento à altura. Então, aqui estão alguns dos dados obtidos e apresentados pelo IPCC:

1)

2) Aqui, eles são mais cautelosos, tratando a correlação entre o aumento da temperatura média global e o aumento na emissão de gases estufa são uma relação de causa e consequência "muito provável".

3) Como vai ser daqui pra frente

Representative Concentration Pathways (RCPs) diferentes cenários estimados com base em possíveis índices de força radiante (em W/m2) no século XXI, definidos como possibilidades de alta, média e baixa confiabilidade.




O relatório tem ainda muitos dados e observações de tendências como índices pluviométricos regionais, pH de águas superficiais, extensão do gelo marinho no hemisfério norte.





Enfim, a despeito da controvérsia suscitada por alguns, há uma tonelada de dados que comprovam o que muita gente apenas acha: que as coisas não estão indo bem. E o melhor/pior é que nós, teoricamente, temos a capacidade para mudar isso. 





terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Vulcão na Indonésia expele lava azul


Isso? É só lava expelida de um vulcão na Indonésia. À noite, o material ganha esse visual: azul. 

fotos de Olivier Grunewald.






Fontes aqui e aqui.


E um pequeno vídeo mostrando a loucura de fazer essas fotos.




Agora sim?

O carro elétrico da BMW vai atrair os cantores sertanejos tanto quanto o Camaro Amarelo??



Parece que a revolução ainda vai demorar um pouco.

Fonte

Quando eu me sinto meio burro...


sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Homens que lavam louça serão mais felizes em 2035

Pesquisadores suecos estão desenvolvendo um prato e uma vasilha revestidos de um material "auto limpante" de nanocelulose, que os torna impermeáveis a líquidos e sujidades. A previsão de podermos comer sem a parte chata (embora terapêutica) é para 2035.
Fonte: http://bit.ly/1lKYzQP via Smithsonian Magazine
Imagem: Tomorrow Machines


Este post é uma resposta a este:






terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Grandes momentos da história da ciência



Cola para remendar rompimentos no coração

Notícia original publicada na BBC UK.

Quando li a manchete, a imagem que me veio a cabeça foi essa:

Mas na verdade se trata disso:


Os pesquisadores do Departamento de Engenharia Biomédica do Brigham and Women's Hospital, do Bostons Children's Hospital e do MIT publicaram essa semana um artigo com um estudo a respeito do uso de uma cola biocompatível para fechar rompimentos em tecidos, para conter hemorragias com rapidez e sem efeitos tóxicos. Nenhum release dá detalhes da composição da cola, somente que ela polimerisa rapidamente sob luz UV. O produto é da Gecko Biomedical.




E onde é que eu vi isso antes...?


Somos pioneiros!

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Mudanças na nossa gasolina

Esta notícia saiu no blog do Fernando Calmon no UOL.

A partir de 1º de janeiro de 2014, o teor de enxofre da gasolina comercializada no Brasil deve ser reduzido para no máximo 50 ppm (até então o limite era de 800ppm).

A diferença dos combustíveis. Nem precisa dizer que o teor poluente vai diminuir um bocado.


 Segundo a Petrobrás, isto é resultado de cerca de 20 bilhões de Dilmas investidos em pesquisa nos últimos anos.



sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

A quimiluminescência em Avatar

Todo mundo que eu conheço e que viu Avatar ficou impressionado. Uns com o visual e outros com a grana gasta em uma história meio bleh. 



Avatar é um daqueles lembretes de que o cinema pode criar mundos fantásticos e nos levar a viagens incríveis. Havia um boato de que James Cameron teria engavetado o roteiro desde a década de 90 até que a computação gráfica tivesse evoluído o suficiente para proporcionar tudo aquilo. Não sei se é verdade, mas se for, explica um pouco do por quê o filme ter cheiro de Sessão da Tarde.
De qualquer forma, se tivesse um pacote promocional pra visitar Pandora (com tour guiado), eu iria. E o visual de lá é maneiro graças à bio e quimiluminescência.

Pandora
O planeta dos Na'vi tem algumas semelhanças com a Terra: abundância de água, florestas, um ecossistema rico. De forma grosseira, mesmo que os bichos, plantas e fungos sejam diferentes, ainda são bichos, plantas e fungos. A diferença é que lá, uma floresta não fica totalmente escura à noite, já que alguns (na verdade, muitos) destes seres emitem luz no espectro visível.

Essa luz é resultado dos fenômenos de bio- e quimiluminescência.


Certas reações químicas podem produzir luz, e podem ser úteis tanto em investigações criminais como em festas rave (tópicos não necessariamente relacionados).


Cara, o que aconteceu aqui?!
Em análises forenses, e já vimos isso em CSI, é comum usar o Luminol. 
O Luminol reage com peróxido de hidrogênio, formando o íon aminoftalato liberando luz visível. Essa reação é catalisada por Ferro, que é abundante no sangue (voilá!), então quanto mais ferro, melhor se processa a reação e mais intensa é a luz emitida.



Certos organismos também emitem luz por processos bioquímicos, como peixes das profundezas e vaga-lumes. 
Os processos bioluminescentes são em geral baseados no sistema Luciferina-Luciferase.
A enzima Luciferase cataliza a oxidação da Luciferina, gerando Oxiluciferina e luz. 

Neste caso tem ATP envolvido, o que pressupõe processos metabólicos de um organismo com vida, mas nem todos têm essa característica. Seres marinhos possuem um análogo à Luciferina, que é a Coelenterazina.

Planctons bioluminescentes nas Ilhas Maldivas


Os pesquisadores têm concluído que a bioluminescência evoluiu de maneiras distintas e aparentemente independentes. Os primeiros registros são de águas vivas há cerca de 400 milhões de anos.

Há linhas de pesquisa aplicando a bioluminescência na área médica, por exemplo, com bactérias bioluminescentes para conhecer o progresso de uma infecção no organismo, como em estudos feitos por virologistas inserindo genes de bioluminescência em Salmonella, e há projetos de estender isso para vírus, como HIV.




Pois bem, Avatar... É um daqueles filmes sem graça, mas que é meio obrigatório ver. Vale pelo visual. Se tivesse este cara seria certamente mais interessante:


A Química está em todo lugar

Quem disse que não?


quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Fotos: All you can feel

A fotógrafa alemã Sarah Schönfeld fez uma exposição colocando gotas de misturas líquidas de várias substâncias, incluindo fármacos e drogas ilícitas, em um pedaço de filme fotográfico, e registrou a alteração provocada nestes negativos. 

Cada substância teve um comportamento distinto, com alterações diferentes no filme e por tempos diferentes também.


Ecstasy

 LSD

 Metanfetamina (Crystal Meth)

Heroína

Há fotos também de Cafeína, Adrenalina, Estrogênio, Cocaína, Dopamina, Valium e por aí vai. Veja todas direto na fonte: http://www.sarahschoenfeld.de/en/works/all-you-can-feel-2/


Vi no Brainstorm9

Breaking - the law, really - Bad

Desde que a série acabou, pipocaram um monte de notícias do tipo "Breaking Bad da vida real". Este cara, Ryan Lee Carroll, ganhou um concurso para participar de um evento com o elenco durante a divulgação do series finale em setembro. Ele até ganhou um traje autografado pelo Bryan Cranston e tal.

Só que aí entra a ironia do universo: esta semana, ele foi preso na Flórida por um bocado de acusações, incluindo operação de um esquema de tráfico de drogas (apreendidos mais de 315 kg de marijuana sintética em 79.000 pacotes, avaliados em cerca de 1,25 milhões de doletas).



Com essa cara, poderia bem se passar por figurante da série.



A fonte: junkee.com